como encarar o fim de uma relação





Entra-se num processo de dor que atravessa muitos estágios e chega finalmente a encontrar uma resolução.
Ao passar por esses estágios, deve-se chegar à resolução emocional, porque o sobrevivente precisa aceitar que o relacionamento acabou e nada poderá mudar este fato.
Entretanto, quando há uma separação voluntária, e a pessoa com a qual se construiu aquele relacionamento continua viva em algum lugar, há sempre na mente a possibilidade de reviver o compromisso, é um tema doloroso de muitas pessoas nos estágios finais da separação.
Desta forma, existe um conjunto de sentimentos nitidamente identificáveis que marcam o processo de dor e perda, há também uma série de estágios, de sentimentos facilmente identificáveis também, pelos quais as pessoas passam à medida que vai ocorrendo o término de um relacionamento.
Esse conjunto de sentimentos aplica-se a qualquer tipo de relacionamento, seja um casamento de trinta anos, um convívio de quatro anos, ou ainda um caso de três semanas.
Até pouco tempo em nossa cultura e em nossa sociedade, as causas que provocavam a dissolução do casamento eram atribuídas principalmente a um dos cônjuges.
Geralmente, a alternativa para a separação, era considerada como um remédio extremo para um mal irremediável na vida conjugal.
A condição do separado era fortemente condenada, tanto pela igreja, quanto pela sociedade, uma pessoa separada, principalmente a mulher, era sempre tachada de pouco confiável, pouco séria.
Atualmente, esse fenômeno é mais aceito em todos os níveis, as motivações tendem a ser mais articuladas e as separações amigáveis mais freqüentes.
A partir disto, a separação é vista como a solução de um problema, ao invés do ato final de uma situação trágica.
Este pensamento indica uma maturidade crescente das instituições civis e uma consciência de comportamento mais difundida entre as pessoas.Eu acredito e apoio qualquer atividade que possa identificar, estabelecer ou reestabelecer os verdadeiros laços e motivos que unem o casal.
Tenha certeza, estes motivos existem e estão guardados, às vezes até esquecidos, mas sim, existem. Infelizmente, algumas vezes por preconceito ou intolerância podem-se alimentar as mais frágeis justificativas na esperança de elaborar argumentos que justifiquem a inércia e absoluta falta de sentido no relacionamento.
Posso afirmar com alto grau de certeza que existem formas de encontrar ou reencontrar o que o casal deixou ao longo de sua trajetória e uma delas é este curso: Direção e Sentido Casais.
Trata-se de um curso onde o casal dedica um fim de semana somente a sua relação. Este fim de semana é marcado por muitas e intensas vivências onde o casal terá oportunidade de reencontrar e reviver grandes e marcantes momentos que há muito estavam esquecidos ou adormecidos.
Ao fim deste curso o casal perceberá entre outras coisas que as ferramentas adquiridas durante este período em conjunto com a maturidade e trajetória de vida do casal são grandes aliados do relacionamento que se deseja reviver ou alcançar.
Sugiro que você dê esta oportunidade ao seu relacionamento. E conseqüentemente à sua família.
By @direcaoesentido on Nov 5, 2010
Postar um comentário